Fala, fala!!!

Felicia Jennings-Winterle
Coluna Educacão Bilíngue

É universal – papais, mamães, vovôs e vovós, titias, titios… todos querem saber se o bebê está falando, o que está falando e quantas palavras. O assunto linguagem é interessante e desafiante para estudiosos e leigos. Na criança então, as questões da linguagem são maravilhosas.

Os bebês estão atentos aos sons que os rodeiam desde o nascimento. São verdadeiras esponjinhas – a partir de uma certa idade, o que ouvem, tentam repetir. Na verdade, há quem diga que, ainda no útero, os sons atingem e marcam o bebê. Mas a linguagem não é feita só de fala.

Pesquisadores da Universidade de Chicago investigaram a correspondência entre fala e gesticulação na construção do vocabulário infantil. Demonstraram que quanto mais estímulo, quanto mais rico o ambiente e como os pais se expressam, maior é o vocabulário da criança aos 4, 5 anos. O gesto não só dá mais expressão à comunicação, mas também provoca uma resposta muito específica dos pais. Logo cedo, a criança entende que o gesto é eficiente. Puro diálogo corporal, muito próprio do relacionamento mamãe e bebê.

Um elemento chave do desenvolvimento linguístico é, portanto, a riqueza, a variedade do ambiente. O desenvolvimento da língua materna, que no caso de nossos brasileirinhos pode ser tanto o inglês, como o português, se fundamenta na frequência, na contextualização e na consistência desse ambiente. A criança precisa ter contato com as línguas através da fala dos pais para se apropriar dela, repeti-la e reformulá-la.

E que recursos podem enriquecer este contato? Ah, vocês sabem: as canções, parlendas, brinquedos cantados, a leitura de livros infantis em português, ligar para os avós e outros familiares no skype e oportunizar momentos de brincadeira com outras crianças que também falam português.

Mas uma coisa ninguém aqui pode esquecer. A língua materna de nossos brasileirinhos pode até ser composta pela língua majoritária do local onde você vive e pelo português, mas o português, a língua minoritária, precisa de muito mais vitaminas. Estará sempre em desvantagem em meio a enxurrada da língua majoritária que as nossas crianças vivenciam aqui fora. Se os idiomas não forem desenvolvidos em equilíbrio, quer dizer se a criança não tiver aos 7, 8 anos desenvoltura nos dois, mesmo que em registros e contextos diferentes, ela terá acesso a um número limitado de benefícios do bilinguismo.

Em nosso caso, tanto quantidade quanto qualidade de estímulo importam.

 

Screen Shot 2015-10-20 at 8.49.02 PMFelicia é educadora e pesquisadora sobre o português como língua de herança. Fundadora da Brasil em Mente, é editora da Plataforma Brasileirinhos.
© Nosso conteúdo é protegido por direitos autorais. Compartilhe somente com o link, citando: Plataforma Brasileirinhos, Brasil em Mente.

Anúncios

3 comentários em “Fala, fala!!!

  1. Felicia, parabéns pelo excelente artigo… Proporcionar aos nossos filhos a oportunidade de falar nosso idioma materno e’ maravilhoso, nenhum Papai ou Mamae podem deixar de presentar aos nossos queridos “esponjinhas” a beleza da nossa Lingua Portuguesa.

  2. Felícia! Está lindo o blog novo! Ótimo artigo! Eu acho lindo ver os meus pequenos usando plurais, inventando palavras (em Português) e orgulhosos disto.
    Tenho uns artigos ótimos sobre bilinguismo (aqui existe muita pesquisa com Francês/Inglês) e desenvolvimento, vou ver se lembro de te mandar!
    Beijinho,
    Keiko

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s