Alimentação bilíngue

Por Bela Gil
Coluna Perfil e Opinião

Meu nome é Bela Gil, tenho uma filha de três anos e moro em Nova York há seis. Fiz curso de culinária natural, e atualmente curso faculdade de nutrição.

Por ser apaixonada por nutrição, amar cozinhar e ter uma filha pequena, acho importante abordar o assunto sobre a alimentação dos pequenos. A primeira coisa que noto nos pais brasileiros residentes em NY é a dificuldade que encontram para escolher uma alimentação adequada aos seus filhos. Na maioria das vezes não é por falta de vontade, mas sim de conhecimento. E morando numa cidade um tanto estressante como NY, fica muito fácil cair na tentação de alimentá-los do jeito mais conveniente para os pais, com comidas semi prontas, industrializadas e congeladas. Mas como esses pais brasileiros cresceram na rica cultura do arroz e feijão, já pressentem o que é bom e o que não é para o seu filho. Não é pra menos, pois a diferença nas duas culturas em relação a alimentação é muito grande.

No Brasil, boa parte das crianças com o devido acesso à comida, se alimentam bem. A comida é na maioria dos casos fresca e feita em casa. O prato de uma criança típica brasileira normalmente se constitui de arroz, feijão, um tipo de carne e legumes, tudo feito em casa com amor. Uma alimentação saudável na infância, regada de legumes, vegetais e grãos integrais é muito importante para cultivar um paladar saudável para o resto da vida. Ensinar uma criança a comer é muito semelhante à ensiná-lo uma nova língua. Se os pais comerem bem exporem as crianças à comidas saudáveis, as crianças crescerão com esse hábito sem o menor esforço. Mas se a criança crescer comendo processados, congelados e refrigerantes, será muito mais difícil que ela se habitue a um estilo de alimentação mais saudável quando atingir a idade adulta. Do mesmo jeito que acontece com o aprendizado de uma segunda língua. É muito mais fácil aprender uma língua na infância do que na idade adulta.

Já por outro lado, em NY muitos dos bebês e crianças que vejo nas pracinhas se alimentam com comida pré-pronta e papinhas industrializadas justificados por facilitar o trabalho dos pais (no Brasil já vejo este mesmo tipo de comportamento acontecendo. Não estou dizendo que em NY as crianças comem mal e no Brasil elas comem bem, mas sim que herdamos da cultura brasileira uma boa alimentação e os americanos herdarão o “fast food”). Mas essas comidas, cheias de sal e açúcar, comprometem a saúde da criança. Sim, a curto prazo o custo benefício de uma papinha industrializada pode valer a pena para poupar tempo. Mas quando a criança começar a ir ao pediatria corriqueiramente devido a problemas causados por uma alimentação inadequada, o tempo poupado com as patinhas serão gastos nos consultório médicos.

Sempre me preocupei com a alimentação da minha filha. Ela só foi experimentar açúcar e carne vermelha com 3 anos de idade quando estava de férias com os avós. Suas refeições sempre foram compostas de grãos integrais (arroz integral, quinoa e painço), verduras, legumes, feijões (azuki, tofu, mulatinho, lentilha), e de vez em quando um peixe ou um ovo. Não me importo que ela se delicie com os doces e salgados de ocasiões especiais, por que ela sabe que são comidas para serem apreciadas em ocasiões ESPECIAIS, e jamais para serem consumidas numa mesa de jantar. Assim tenho a esperança de que ela saiba discernir comida versus besteiras e que quando ela tiver os seus próprios filhos, ela lembre do sabor da comida da sua infância e faça questão de passar esse sabor para sua família. Pois acho um dos melhores presentes que um pai possa deixar para um filho, é uma boa alimentação. No caso dos “Brasileirinhos” de NY, se vier acompanhado por uma segunda língua, melhor ainda!

—————-
Bela Gil escreve o blog www.belagil.com e está dando aulas de culinária e nutrição nos fins de semana. CHeck out as informações no endereço acima.

ESTE CONTEÚDO É PROTEGIDO POR DIREITOS AUTORAIS. AO COMPARTILHÁ-LO, LEMBRE-SE DE CITAR A FONTE: PLATAFORMA BRASILEIRINHOS, BRASIL EM MENTE.

6 comentários em “Alimentação bilíngue

    1. Concordo! Aqui em casa e arroz e feijão. Como sou gaúcha a carne sempre foi parte. Compramos sempre o mais natural possivel no Trader Joes e sem hormônios. Eu acredito que a proteína da carne, e doses moderadas, e bom para o desenvolvimento infantil. As crianças também adoram almondegas de peru, porém difícil de achar o peru moido orgânico.

  1. Oi Andrea,
    Tem alguns mercados aqui em NY que vc consegue achar peru moído organico. Eu adoro sopa de legumes com peru moído dentro (da o maior tchan na sopa). No inverno então cai super bem. Aqui segue alguns mercados onde vc encontra peru moído orgânico:

    Westerly Natural Markey
    911 Eighth Avenue

    FairWay
    240 East 86th Street

    Commodities Natural Market
    165 1st Ave

    beijos,
    Bela

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s