Bilinguismo e dificuldades de linguagem

Por Luciana Lessa, PhD
Coluna Falando

Muitos pais e profissionais que trabalham com aquisição de linguagem apresentam dúvidas em relação ao bilinguismo no caso de crianças com dificuldades de linguagem. Existe uma extensa variedade de casos que se enquadram nessa descrição, como crianças com condições congênitas em que já é possível prever uma maior dificuldade na aquisição da linguagem, como é o caso da Síndrome de Down. Mesmo crianças sem nenhuma condição aparente, podem aos poucos dar sinais de uma maior dificuldade de aquisição de linguagem.

As dúvidas geralmente consistem nas questões: será melhor para essa criança que uma das línguas seja eliminada de seu processo de aquisição de linguagem? A aquisição de duas línguas pode tornar a aquisição da linguagem ainda mais difícil, uma vez que ela já tem dificuldades com apenas uma língua?

A resposta que muito frequentemente é dada diz que devido às capacidades de linguagem mais “limitadas” que essas crianças apresentam, o bilinguismo seria uma escolha inadequada para elas, pois supostamente o aprendizado de dois diferentes sistemas linguísticos poderia sobrecarregar os desafios que essas crianças enfrentam em seu processo de aquisição da linguagem.

Embora essa afirmação possa corresponder a uma preocupação em relação aos desafios que as crianças com problemas de linguagem enfrentam, ela não tem fundamentação prática e nem científica. Não existem estudos com base nos quais é possível afirmar que, em crianças com dificuldades de linguagem, a aquisição simultânea de duas línguas tornaria ainda mais complexo para elas o processo de aquisição da linguagem.

amanda+amiga

Em contrapartida, existem estudos realizados com grupos de crianças com determinados problemas de linguagem (BIRD e colaboradores, 2005; KOHNERT e colaboradores, 2005; HAMBLY e FOMBONNE, 2011) que vêm apontando que crianças bilíngues com dificuldades de linguagem não apresentam nenhum atraso adicional na aquisição da linguagem em relação a crianças monolíngues com o mesmo diagnóstico.

Os estudos que buscam comparar as habilidades de linguagem de crianças bilíngues e monolíngues que apresentam determinado problema de linguagem ainda são poucos, mas todos eles já destacam um mesmo e importante ponto: não existe um efeito prejudicial do bilinguismo à aquisição da linguagem de crianças com dificuldades.

Aparentemente, a criança com problemas de linguagem apresenta as mesmas dificuldades na aquisição de uma ou duas línguas. A ideia dominante no senso comum de que o acréscimo de uma língua dificultaria ainda mais a aquisição de linguagem dessas crianças parece ser um desdobramento da ideia mais geral de que o bilinguismo poderia prejudicar a aquisição de linguagem mesmo de crianças sem problemas de linguagem, o que já sabemos ser um modo equivocado de compreender o bilinguismo.

Com base nesses estudos, podemos observar que a crença de que o bilinguismo atrapalharia ainda mais a criança com dificuldades de linguagem não vem sendo comprovada cientificamente. Mesmo sendo uma preocupação genuína de pais e profissionais que lidam com a linguagem, tais estudos vem mostrando que o bilinguismo não afeta negativamente essas crianças.

Além de podermos afirmar que o bilinguismo corresponde, portanto, a um modo adequado de educar crianças com dificuldades de linguagem, sem efeitos negativos na aquisição das duas línguas, pensamos que é possível estender a essas crianças todos os benefícios que o bilinguismo simultâneo proporciona. Esses benefícios são extremamente importantes e relevantes para todas as crianças, ainda mais para essas que requerem uma atenção mais cuidadosa no desenvolvimento da linguagem. Para relembrar alguns desses benefícios, recomendamos nossos dois posts “Desmistificando o bilinguismo” (parte 1 e parte 2).

Se o bilinguismo não interfere negativamente na aquisição da linguagem de crianças que apresentam mais dificuldades nesse processo, seus benefícios podem funcionar como um fator importante para o desenvolvimento de uma autoestima positiva dessas crianças e para que elas corram menos riscos de se sentirem estigmatizadas dentro de suas dificuldades. Vantagens em habilidades cognitivas, a possibilidade de se comunicar com a família no Brasil, de poder interagir melhor com essa família em viagens ao Brasil, conhecer melhor suas origens e sua cultura só pode fazer bem a essas crianças e contribuir para a superação de seus desafios!

Referências Bibliográficas:
BIRD, E. K.-R.; CLEAVE, P.; TRUDEAU, N.; THORDARDOTTIR, E.; SUTTON, A.; THORPE, A. The Language Abilities of Bilingual Children With Down Syndrome. American Journal of Speech-Language Pathology. Vol.14, 187-199, August, 2005.

Hambly, C., & Fombonne, E. The impact of bilingual environments on language development in children with Autism Spectrum Disorders. Journal of Autism and Developmental Disorders (Online First, 22 September 2011).

Kohnert, K., Yim, D., Nett, K., Kan, P. F., & Duran, L. (2005). Intervention with linguistically diverse preschool children: A focus on developing home language(s). Language, Speech, and Hearing Services in Schools, 36, 251-263.

Luciana Lessa é Doutora em Linguística, é parte do corpo docente da Georgia State University e participa de importantes grupos de discussão sobre a aquisição da linguagem falada e escrita. É autora da coluna Falando na Plataforma Brasileirinhos e diretora do grupo de discussão e formação de professores da Brasil em Mente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s