O que se ajunta, espalha

Ívian Destro Boruchowski, MEd
Coluna Educação Bilíngue

Nos últimos anos, tenho conhecido e conversado com brasileiros de diversos lugares do mundo. Mães, pais e professores que se tornam líderes comunitários e organizam-se para manter e desenvolver a língua e a cultura de herança para filhos de brasileiros (como também portugueses, moçambicanos, etc.) que vivem na diáspora. Tenho muita admiração por essas iniciativas e fico muito feliz quando me contatam para conversar. Entre diversas questões que me fazem, as mais frequentes envolvem dicas para manter e desenvolver a língua e a cultura em língua portuguesa dentro de casa, como agregar pessoas para iniciar uma escola comunitária de língua de herança, como organizar o currículo para essas aulas, o que fazer quando há crianças com habilidades muito diferentes na mesma sala de aula, etc.

Vou compartilhar aqui uma das histórias que me comove e das quais me orgulho. Acredito que ela possa inspirar outras pessoas a se organizarem e agirem em suas comunidades. Mariana, que mora na Geórgia, EUA, há menos de um ano, tem uma filha de 2 anos. Ela leu um texto que escrevi no website da Sociedade de Linguística Aplicada e Educação Digital e que discute sobre como um currículo multicultural vai além de promover festas e comidas típicas. Mariana, inspirada e intrigada entrou em contato comigo:

Na escola da minha filha não há nada neste sentido, nem mesmo as festas com comidas típicas. E neste último mês, a meu pedido, tenho ido duas vezes por semana lá para ajudar em algumas atividades, já que neste momento tenho tempo livre e também é uma forma de praticar o inglês e entender um pouco melhor este novo mundo. Bom, lendo o seu texto e baseado em algumas coisas que vinha pensando, gostaria de propor algo na escola, principalmente dentro da turma de minha filha, no sentido desta valorização de uma abordagem multicultural.
A Julia chegou aqui falante apenas em português e hoje já fala muita coisa em inglês, mas gostaria que ela pudesse exercitar mais o seu “lado brasileiro”, que ainda é bem maior que o “lado americano”. E que de alguma forma também houvesse um ganho para os demais. Porém me encontro perdida do que propor exatamente, que seja interessante para todos e que não seja invasivo, no sentido de parecer que quero revolucionar tudo só porque não somos daqui!

Em conversa por telefone, discutimos sobre como seria importante para a filha que a identidade dela fosse acolhida pela escola e como os pais têm um papel importante em educar a escola para que isso aconteça. Também conversamos sobre como seria enriquecedor para todas as crianças da escola conhecer e valorizar a origem diversa das crianças que dela participam. Foi assim na escola de meus filhos, eu levantei a bandeira das línguas e culturas de herança há mais de 5 anos. No início, percebi alguma resistência e estranhamento nas frases que ouvia, por exemplo: “Você não acha que ele precisa falar inglês primeiro”, ou , “Você fala português com ele, isso não vai atrapalhar?”. Bem, eu sou mais resistente que a resistência de algumas pessoas e acredito muito que a cada conversa eu educo alguém sobre o assunto. Dessa forma, hoje, professores e pais da escola valorizam as múltiplas identidades das crianças que a frequentam. Consegui, inclusive um espaço para fazer um trabalho voluntário semanal de trabalhar com a língua portuguesa de herança para as crianças das 8 famílias de brasileiros em nossa escola.

Vejamos o desenrolar da experiência de Mariana. Depois de conversarmos e trocarmos ideias, olhe o que aconteceu na Geórgia…

Após nossa conversa no telefone tomei coragem e propus algumas atividades na escola da Julia, tentando levar um pouco de nossa cultura para dentro da sala de aula dela. O resultado foi mais do que eu esperava!
A primeira atividade que compartilhei com eles foi muito inspirada em você, assim levamos um pouco do carnaval brasileiro. Para minha surpresa duas semanas depois, a escola iniciou um projeto chamado “crianças ao redor do mundo”, onde cada turma se encarregou de conhecer a cultura de diferentes países. A professora da Julia pediu que a turma ficasse com o Brasil! Assim cada semana trabalhamos algo do Brasil, passando pelas vestimentas, culinária, instrumentos musicais e a fauna e flora! Foi demais poder ajudar em tudo isso e certamente poderia não ter acontecido desta forma se não tivesse tomado a iniciativa anteriormente de ter pedido este espaço! (…) Sem dúvida este é só o início de um grande desafio! Tenho consciência de que a inserção destas diferenças na escola é mais do que festas folclóricas, mas acredito que tenha sido um início para ambos os lados, pois afinal não é fácil para nós mesmos enfrentarmos esta realidade!

Agradeço a Mariana por ter me escrito um e-mail, por termos conversado por telefone e por ter compartilhado sua experiência e o resultado dela comigo. A semente do meu trabalho é a de agregar pessoas para refletir e discutir sobre o ensino de Português como Língua de Herança por esse mundão afora… Espero que essa e outras histórias que eu compartilhe aqui, inspirem mães, pais e professores a tomarem a iniciativa de se agregarem, pois como reescreveu Rosa: Tudo que se ajunta, espalha!

Multi-Hands-148230854

+ Quer ajuntar e espalhar conosco? Participe da III Conferência sobre o Ensino, Manutenção e Promoção do PLH.

PS: Para o texto, utilizei as próprias palavras escritas por Mariana, com a permissão dela.
PPS: Guimarães Rosa inspirou-se em um verso bíblico e reescreveu-o colocando um novo sentido. A frase é citada no final do conto “Conversa de Bois”, em Sagarana.

Anúncios

Um comentário em “O que se ajunta, espalha

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s